UDEMO | 10/06/19 17:22 | Atualizado em 10/06/19 17:58


MANIFESTO DA UDEMO

EXIGIMOS RESPEITO !

Os profissionais do Quadro do Magistério da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo estão passando por uma das piores crises, desde 1984, com destaque para a questão salarial. Mas a esse problema, que é grave, acrescenta-se outro, gravíssimo: a falta de respeito com esses profissionais por parte do Governo que insiste em confundir escolas públicas com empresas privadas. Por mais que defendamos eficiência na gestão das escolas, elas - que visam educação escolar - são diferentes de empresas privadas , que visam lucros !

Diretores de Escola, Supervisores de Ensino e Dirigentes Regionais estão sendo tratados como se fossem incompetentes, negligentes, preguiçosos, e responsáveis únicos pela situação “pré-falimentar” em que se encontra a rede pública estadual. Mas, ao contrário, essa rede ainda não “faliu” graças ao trabalho, o empenho e a dedicação dos gestores e dos professores.
Regra geral, falta tudo nas nossas escolas: professores, funcionários, verbas, infraestrutura, merenda, merendeira, material de apoio, limpeza, papel higiênico etc. Essa combinação de carências nas escolas com a violência instalada na sociedade geram uma bomba-relógio que vai explodir, a qualquer momento: é apenas uma questão de tempo. Foi o que aconteceu numa escola de Carapicuíba, apesar do excelente trabalho que a Diretora faz com a comunidade.

Falta tudo nas nossas escolas. Parece que, para a Secretaria e o Governo, a CULPA É DO DIRETOR !!

Algumas Diretorias de Ensino já publicaram vários Editais de Convocação de Professores para Atribuição de Aulas/Classes, e não apareceu nenhum interessado. Começa a faltar professor inclusive nas escolas que têm o Programa Ensino Integral (PEI), onde os docentes recebem uma gratificação de 75% sobre os salários! A CULPA É DO DIRETOR E DO DIRIGENTE ??

Várias Diretorias de Ensino não estão conseguindo fazer a capacitação dos professores, porque esses profissionais não existem. A capacitação dos gestores está sendo prejudicada, porque Integrantes do núcleo de gestão (Vice-Diretores e Professores Coordenadores) estão sendo obrigados a assumir funções docentes, por falta de professores!  A CULPA É DO DIRETOR, DO DIRIGENTE E DO SUPERVISOR DE ENSINO ??

Recentemente, saiu na imprensa que uma escola estadual oferecia como merenda aos alunos apenas bolacha e leite, por falta de merendeira. Por ter saído na imprensa, imediatamente a SEDUC tomou as medidas “urgentes e necessárias”. Por meio de Resolução – fato inédito – a SEDUC determinou a apuração preliminar dos fatos reportados pela imprensa, através de uma Comissão constituída por servidores indicados pela Chefia de Gabinete da Pasta. Como se eles não soubessem que a falta de merendeiras nas escolas não é culpa da Direção, da Supervisão ou do Dirigente, mas sim do Governo, que ainda não conseguiu equacionar esse problema. Portanto, não era necessário constituir uma “Comissão de Elite” para apurar os fatos. Esses fatos constituem o que se convencionou chamar de “verdade sabida” e comprovada. Mas, já que a “Comissão” foi constituída, “e é pra valer”, sugerimos que ela inicie os trabalhos pelo Palácio dos Bandeirantes, passando pela FDE e o Gabinete da SEDUC. Se o problema não estiver ali, então que se desça à DER e à escola !

Para a imprensa parcial e para o público desavisado, a medida funciona: “A SEDUC não deixa nenhuma denúncia passar em branco! Manda apurar, imediatamente” ! E desvia-se o foco do problema, transfere-se e terceiriza-se a culpa para o Diretor da Escola e o Dirigente de Ensino. Que interesse teria um Diretor de Escola em não servir a merenda adequada aos alunos, se ela existisse?

E não é apenas isso. Se fôssemos elencar todos os problemas que as escolas estão enfrentando, teríamos muito mais o que falar: sem funcionários e ainda tendo de ceder os poucos que têm para outras escolas em piores condições ! Por que o Governo não nomeia os novos funcionários e não preenche o módulo das escolas?

Não nos dão salários nem condições de trabalho ! Não nos ouvem ! E agora nos desrespeitam !

Anuncia-se e publica-se um calendário de remoção para Diretores e Supervisores, criando expectativa em milhares de profissionais, seres humanos, pais e mães de família, muitos deles com a vida desestruturada. Dois meses depois, chegado o momento de iniciarem-se os procedimentos, calam-se. Sem nenhuma explicação para os interessados, sem nenhuma publicação, tornam sem efeito – oficiosamente – o calendário da remoção. Colegas que conseguiram conversar com o pessoal do Gabinete da SEDUC sobre o assunto declararam ter ouvido deles algo como: “a remoção não é prioridade e fica a critério da administração”. Se a remoção não é prioridade, se ela fica a critério da administração, por que foi anunciada e publicada ? Aquela resposta, se verdadeira, passa uma imagem terrivelmente negativa: “fazemos o que queremos, quando queremos, e não temos de dar satisfação a ninguém” ! Tudo na contramão dos princípios constitucionais da Administração Pública. Mesmo que não seja a intenção da fala (assim esperamos!), é essa a imagem que ela passa !

Colegas relatam que em reuniões com o pessoal do Gabinete da SEDUC ouvem expressões do tipo: “ o Diretor vai ter de se virar”; “a Diretoria de Ensino vai ter de se virar”; “o problema é que há Diretores meia-taça”. Esperamos que isso também não seja verdade, porque essas expressões implicam um total desrespeito para com esses profissionais, e não estão à altura de educadores; menos, ainda, de gestores de um sistema estadual de ensino. Além do desrespeito, essas expressões denotam inabilidade política, descompromisso, vaidade e arrogância. Além do mais, não há como o Diretor, ou o Dirigente, “se virar” para conseguir professores onde ninguém quer ser professor, por causa dos baixos salários, das condições de trabalho, da violência e da indisciplina. Em resumo, por serem desvalorizados.

Hoje, nas escolas públicas estaduais, falta tudo. Nos últimos anos, pelo menos, os profissionais da educação tinham o respeito dos governos. Agora, esse respeito também vai faltar ?

Com essa política, o Governo tem pouco a ganhar e muito a perder !

Com relação aos Diretores, mais especificamente, “eles são  um dos principais fatores que mais fazem diferença no aprendizado dos estudantes. Não há nenhuma escola que apresente melhora em seus índices que não tenha por trás uma boa liderança; isso é uma evidência fundamental” (Jose Weinstein Cayuela, ex-secretário de Educação e Ministro da Cultura do Chile). A Secretaria não pode perder a oportunidade de trabalhar com eles, de tê-los como parceiros e não como inimigos.

Senhores do Governo e da SEDUC, nossas escolas não necessitam de mais projetos e programas; isso elas já têm em excesso; elas precisam, com urgência, de professores, funcionários, verbas, infraestrutura, merenda, merendeira, material de apoio, limpeza, papel higiênico etc.

Essa política de tentar culpar Diretores e Dirigentes pelos problemas e carências das escolas pode funcionar apenas na grande imprensa, e por pouco tempo. Ninguém consegue enganar todo o mundo o tempo todo ! Os problemas só se acumulam e se agravam; a ingovernabilidade se avizinha !

Senhores do Governo e da SEDUC, façam o que precisa ser feito ! Não nos culpem por aquilo que os senhores não podem ou não conseguem resolver !

E, principalmente, respeitem-nos, para que sejam respeitados !

Obs.: texto votado e aprovado por unanimidade na reunião da Diretoria Executiva e do Conselho Deliberativo da Udemo, dias 9 e 10 de junho de 2019.

 


Clique aqui para continuar em nosso site

 
   
   
     
  Participe, também, do Grupo de divulgação da UDEMO no Facebook!